Dutch Dutch Dutch Dutch Dutch Dutch Dutch Dutch
Dutch Dutch Dutch Dutch Dutch Dutch Dutch Dutch
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Dissertação de Mestrado em Teologia

No dia 19 de janeiro, a Ir. M. Natália obteve o grau de Mestrado em Teologia pela Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa. A tese apresentada foi na área de Liturgia com o tema: Via pulchritudinis: a arte floral ao serviço da Liturgia.

A Ir. M. Natália referiu na apresentação que o objeto do seu estudo surgiu na sequência da participação no Curso de arte floral para a liturgia (AFPL) promovido pela nossa Congregação em Itália.

O primeiro capítulo foi dedicado ao tema dos jardins. Procurou demonstrar a relevância que estes tiveram na Antiguidade a nível religioso, utilitário e decorativo, e que o livro dos Génesis reafirma no segundo relato da Criação, quando o próprio Deus planta um jardim onde coloca o homem por Ele criado. Uma leitura exegética dos substantivos גַּן (jardim) e עֵדֶן (Éden) permitiu perceber que estes termos suscitaram várias interpretações, conduzindo a uma alegorização dos mesmos, na arte, na literatura e na espiritualidade seja no período patrístico como na Idade Média. Possivelmente, esta ideia foi reforçada pelos inúmeros jardins de que fala o AT e pelas referências que o NT faz ao jardim, sobretudo onde Jesus foi sepultado.

O segundo capítulo foi sobre a presença das flores na liturgia cristã. Desde cedo as flores tornaram-se significativas para os cristãos sendo adotadas na liturgia. É certo que os Padres da Igreja não eram unânimes quanto ao uso de flores nas celebrações, devido à necessidade de se demarcarem dos cultos pagãos aos deuses, todavia estas foram tendo o seu lugar nos espaços celebrativos e adquirindo inúmeras formas de representação na arte. Neste segundo capítulo considerou ainda alguns conceitos-chave, devido à sua relevância no que concerne à AFPL. De facto, liturgia e beleza, liturgia e os cinco sentidos, símbolo e rito e espaço litúrgico são os principais elementos a considerar para que a arte floral ocupe um lugar específico nas celebrações litúrgicas. Constatou que na SC as flores não são mencionadas. O Magistério da Igreja tem sido demasiado parco quanto ao uso das flores no espaço litúrgico, limitando-se bastante à sua proibição na Quaresma e à moderação no tempo de Advento.

No terceiro capítulo destacou a fonte e o centro onde a AFPL se inspira: a Palavra de Deus.  A arte floral ocupa o lugar de serva da Palavra e da Beleza de Deus e sendo uma arte não-verbal proclama Deus através da beleza da criação. A Lectio Divina torna-se uma ferramenta indispensável para o artista de AFPL, assim como uma formação adequada no âmbito bíblico, litúrgico, espiritual e técnico. Tomando como referência alguns dos tempos litúrgicos e solenidades apresentou várias composições florais.

O quarto capítulo foi dedicado aos principais elementos para a composição técnica de um arranjo floral. Neste sentido, procurou demonstrar o valor simbólico das cores e dos números na Sagrada Escritura e na liturgia. Destacou ainda a dimensão simbólica presente nas formas observadas na natureza e na arte cristã. Referiu-se ao perigo da alegorização, quando se tende a explicar o inexplicável através das cores, dos números ou das formas. Apresentou os estilos antigos, clássicos, modernos e o Ikebana expondo alguns arranjos florais.

Ao longo do trabalho as questões que surgiram foram as seguintes:

  • As composições florais modernas terão lugar nas celebrações litúrgicas?
  • A AFPL poderá vir a ser considerada um ministério litúrgico?
  • A AFPL poderá contribuir para atenuar os graves erros ecológicos que assolam hoje a humanidade?

A AFPL não deve excluir as composições modernas. Todavia, exige-se uma cuidada formação dos artistas de arte floral. Certamente, a AFPL poderá vir a ser considerada um ministério litúrgico. O Papa Francisco tem vindo a abrir algumas “portas” (ministério do leitor, do catequista) como manifesta a mensagem para o quinquagésimo aniversário da Carta Apostólica Ministeria Quaedam. A Ir. Natália destacou a necessidade de se reeducar as comunidades para o bom uso dos bens: reduzir o consumismo de flores fora de época, importadas de outros continentes e evitar o uso de plásticos, sprays e abrilhantadores. Poderá ser este o contributo ecológico dos artistas de AFPL nas nossas comunidades.

Estás a gostar do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Últimas novidades:

Via Sacra - subsídio

Neste tempo em que somos chamados a parar e a meditar

Camarate

No dia 10 de fevereiro de 2022, dia em que celebrámos

Formação Litúrgica: a espiritualidade do Advento

No dia 12 de novembro realizou-se o primeiro encontro de formação

Veja também!

Options